Outra caixa!

Assim como outras filiais, nós temos liberdade de cânone e escrita, logo não possuímos história oficial. A seguinte é uma proposta, e não é obrigatória de ser seguida.

A Filial Lusófona não se coalizou até 1992, quando os países da língua Portuguesa resolveram se unir em um só manto. Antes disso, Portugal e Brasil mantinham sítios não-oficiais, controlados pelos Estados Unidos, enquanto Moçambique, Cabo Verde e Angola eram supervisados por filiais Europeias. O primeiro Sítio brasileiro foi fundado durante os anos 50, seguindo a industrialização do Brasil pelo governo Vargas e o destaque da importância de imprensa e jornalismo, comprometendo sigilo sobre anomalias existentes no solo nacional. Com tais mudanças, o primeiro Sítio formal foi criado (Sítio de Bio-Pesquisa 10-PT), destinado à contenção e pesquisa de anomalias de natureza biológicas proeminentes nas Floresta Amazônica e Mata Atlântica. Durante os anos 90, após o fim da Ditadura Militar, uma união entre os países portugueses, assim como divisão de especializações foram propostas, e a Filial Lusófona surgiu.

A Filial é administrada por um conselho de todos os Diretores de Sítio e Área (Conselho O4), prescindidos pela Diretora de Sítio-01-PT. O Conselho obedece e é supervisionado pelo Conselho O5. Membros portugueses/brasileiros/africanos podem ser parte do O5, mas eles não são membros da Filial Lusófona, apenas do próprio Conselho, logo nosso nível de autorização máxima é 4 (Ultra-Secreto).

A filial possui sítios especializados na contenção de diversos tipos de anomalias e ameaças, englobando todos os países. Todos os países possuem equipamento de transporte especializado para contenção provisória e encaminhamento para outros Sítios especializados.

Os principais Sítios da filial são:

pt.png Portugal: Sítio-01-PT , Sítio Protegido

Portugal, sendo a ‘sede’ da língua portuguesa, serve como Sítio administrativo, onde funcionários do mais alto calão organizam e mantém registros de todos os Sítios e Áreas da filial e repassam para o Conselho O5 após serem propriamente traduzidas para o Inglês e outras línguas requisitadas. Pela sua função, este Sítio serve como um grande arquivo e local de reuniões, e não mantém anomalias.

Além deste Sítio, Portugal também possui o Sítio-110-PT (Sítio de Contenção Humanoide) e Sítio-29-PT (Sítio de Contenção Seguro/Euclídeo), entre outros Sítios e Áreas classificados, além da Área Provisional-01-PT, utilizada para contenção provisória de anomalias que serão encaminhadas para outros sítios com equipamento de pesquisa mais apropriado.

br.png Brasil: Sítio-10-PT, Sítio de Pesquisa Biológica ou Bio-Pesquisa

Brasil possui grande foco de estudos de anomalias de natureza biológica, devido a sua grande diversidade de vida silvestre. Neste sítio, a maioria dos estudos de seres silvestres anômalos ou anomalias de risco biológico/infecciosas são feitos.

Além deste Sítio, Brasil também possui o Sítio-20-PT (Sítio de Contenção Humanoide) e Sítio-60-PT (Sítio de Contenção Seguro/Euclídeo), entre outros Sítios e Áreas classificados, além da Área Provisional-20-PT, utilizada para contenção provisória de anomalias que serão encaminhadas para outros sítios.

cv.png Cabo Verde: Sítio-13-PT, Sítio de Pesquisa Tecnológica

Cabo Verde (especificamente) é sede deste Sítio, que é focada em pesquisas de natureza elétrica, eletrônica e baseadas em computação e informática. Assim como o Sítio-15, ele também é isolado eletromagneticamente para evitar contato com o mundo externo, além de possuir medidas emergenciais de segurança que se utilizam dos grandes corpos aquáticos em volta do Sítio para evitar brechas de contenção.

Além deste Sítio, Cabo Verde também possui o Sítio-133-PT (Sítio de Contenção Seguro/Euclídeo), entre outras Áreas classificados, além da Área Provisional-13-PT, utilizada para contenção provisória de anomalias que serão encaminhadas para outros sítios.

mz.png Moçambique: Sítio-15-PT, Sítio de Pesquisa Armada

Devido a suas grandes áreas não-populacionais, Moçambique sedia este Sítio, destinado a estudos de anomalias que envolvem armamentos e outros dispositivos de destruição em massa, que necessitam de pesquisas distantes da população civil.

Além deste Sítio, Moçambique também possui o Sítio-155-PT (Sítio de Bio-Pesquisa) e Sítio-159-PT (Sítio de Contenção Seguro/Euclídeo), entre outros Sítios e Áreas classificados, além da Área Provisional-159-PT, utilizada para contenção provisória de anomalias que serão encaminhadas para outros sítios.

al.png Angola: Sítio-16-PT, Sítio de Contenção

Angola é sede do maior Sítio de pesquisas de itens anômalos de alto risco ou perigo para a humanidade, tais como múltiplos itens de classificação Keter, entre outras Áreas classificadas, além da Área Provisional-16-PT, utilizada para contenção provisória de anomalias que serão encaminhadas para outros sítios.

Outras Áreas clandestinas são localizadas em Macau (primariamente supervisada pela Filial Chinesa), Guiné-Bissau e Equatorial, Timor-Leste e São Tomé do Príncipe.

Políticas

Thaumiel: Como dito acima, nossa filial tem o Nível de Credencial máximo como 4, e conhecimento sobre classe-Thaumiel é reservado ao Conselho O5. Classes-Thaumiel não são mantidos em países lusófonos….pelo que se sabe.1

Classes-D: Já que o Brasil e Portugal não possuem pena de morte, a maioria dos Classes-D são recrutados de prisões de segurança máxima nos países da Filial. Presidiários com pena de 30 anos ou mais são oferecidos a oportunidade de servir como cobaias de testes durante 1 mês, após o qual são submetidos a uso de amnésticos classe-A e libertos durante um período provisional(caso sobrevivam).

Salvo indicação em contrário, o conteúdo desta página é licenciado sob Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License